Publicidade
Luís estava perto de escola e preso graças a uma ligação anônima
 
Suposto membro de facção criminosa fugiu cinco dias depois de ser capturado em Piçarras, ele cumpre pena de 32 anos
 
No sábado (15), o jornal Expresso das Praias noticiou a prisão de um suposto integrante do Primeiro Grupo Catarinense (PGC). Luís Alberto Krieck, o Alemãozinho, 25 anos, foi preso pela Polícia Militar (PM) numa Lan House no dia 09 de março. Encaminhado para o Presídio Industrial de Joinville, ele conseguiu fugir na sexta-feira (14). Na segunda-feira (17), Alemãozinho voltou a ser preso e novamente em Piçarras.
 
O membro do PGC, que tem passagens por estupro e assalto, foi preso graças a uma denúncia anônima. Os policiais civis de Penha e Piçarras, com o apoio da PM, capturaram Alemãozinho na frente de uma escola no bairro Nossa Senhora da Paz. Ele foi encaminhado para o Presídio Regional da Canhanduba.
 
Segundo o delegado de Penha, Alan Coelho, após a fuga, a Polícia Civil começou a monitorar os parentes de Alemãozinho. “Os policiais civis e militares de Penha e Balneário Piçarras passaram a monitorar as casas dos familiares da esposa dele, na esperança de que ele retornasse para Penha. Após uma denúncia anônima, dirigimo-nos até o Bairro Nossa Senhora da Paz, e em frente a uma escola pública, encontramos Alemãozinho, o qual não ofereceu qualquer tipo de resistência”, relata o delegado.
 
No Presídio Industrial de Joinville, Luís Alberto cumpre uma pena de 32 anos de prisão. Além da fuga do dia 14 de março, o membro do PGC já havia fugido do mesmo presídio em agosto de 2013.
Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click