Publicidade
Paulinho de Deus (centro) com o presidente estadual do PSB Paulo Bornhausen e o correligionário Carlos Araújo

Vereadores da oposição e do governo estão sendo convidados a se filiar

O cenário político de Balneário Piçarras pode mudar nos próximos meses. Pelo menos, isso é o que promete o novo partido que chega à cidade em março. A Rede Sustentabilidade, da ex-candidata à presidência da República, Marina Silva, é a nova sigla da arena política local. A legenda deve ser formada principalmente por membros do Partido Verde (PV), que deve ser extinto no município. Lideranças do novo partido já estariam sondando também vereadores da oposição e do governo.

De acordo com a comissão provisória da agremiação, em Piçarras o novo partido contabiliza 138 pré-filiados, vindos do PSB, PP, DEM e PV. Como a nova legenda ainda não foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  não pode concorrer nas eleições federais e estaduais deste ano e os futuros membros podem ficar nos atuais partidos até que a Rede Sustentabilidade esteja formalizada.
 
Quem ocupa cargo parlamentar poderá se filiar à Rede até 30 dias após o registro no TSE graças a uma brecha na lei eleitoral que permite aos políticos mudar para um novo partido sem perder o mandato. Em Piçarras, alguns vereadores já estariam interessados em migrar para a Rede Sustentabilidade. 
 
Segundo o presidente do PV de Balneário Piçarras, e uma das principais lideranças da Rede, Paulinho de Deus, o novo partido será de oposição ao governo do prefeito Leonel Martins (PSDB), o qual ele próprio ajudou a eleger. “Faremos uma oposição construtiva, que ajude a cidade a crescer. Nosso objetivo é criar uma nova opção aos partidos tradicionais como o PP e o PSDB”, afirma. 
 
Paulinho garante que a Rede Sustentabilidade terá candidato próprio nas eleições municipais de 2016. “Temos oito possíveis pré-candidatos ao cargo, mas isso deve passar pela Executiva do partido”, explica sem revelar nomes. O político revelou à reportagem do Expresso das Praias que dois vereadores da oposição já teriam acertado filiação ao novo partido. “Conversei com o Maurício Koche (PP) e o Gercino Medeiros (PP). Parece que eles estão sem espaço no PP e querem mudar”, especula.
 
Pré-candidato a deputado federal pelo PV, Paulinho justificou sua saída de mais um partido, o segundo ao qual se filia depois de mudanças de posicionamento em relação ao governo anterior (do PP) e ao atual (do PSDB). “Já estive no PDT, PV e agora a Rede Sustentabilidade. Do PDT para o PV mudei por causa da ideologia. No caso da Rede, o motivo veio de cima, com a decisão da Marina Silva. Assim que o novo partido for oficializado, o PV será extinto em Piçarras”.
 
Antigo aliado político de Leonel Martins, ele acusa o prefeito de traição. “O PV fez parte da coligação que o elegeu, mas ele nos traiu com relação aos cargos prometidos. Enganou o povo. A Rede não terá nenhuma ligação com o atual governo e muito menos aceitará cargos em secretarias municipais”, garante. 
 
Köche refuta informação
 
As informações repassadas por Paulinho de Deus irritaram o vereador Maurício Köche, que nega o interesse em mudar de partido: “Eu sou vereador do PP. O Paulinho já esteve em mil e quinhentos partidos e agora quer colocar todo mundo neste novo. Eu conversei com ele, mas nunca disse que iria para a Rede Sustentabilidade. Isso é uma palhaçada”, desabafa Köche. Também citado por Paulinho de Deus, o vereador Gercino Medeiros (PP), o Gegê, não atendeu às ligações feitas pela reportagem do jornal.
 
Outro vereador que pode ir para a Rede Sustentabilidade é o presidente da Câmara de Vereadores de Piçarras, Sérgio Maia (PSD). “Existe a possibilidade de sair do PSD. Eu fui convidado para me filiar ao novo partido, mas o mais provável é que vá mesmo para o PSDB”, avisa o vereador. 
 
A Rede Sustentabilidade foi criada em fevereiro de 2013. Em outubro do mesmo ano, o partido teve o registro negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por não conseguir o mínimo de 492 mil assinaturas para sua criação. 
Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click