Publicidade
No plenário, maior parte dos expectadores se disse contrária ao reajuste da planta de valores
 
Mesmo com indícios de erro no cálculo do reajuste, maioria dos vereadores disse sim ao projeto de lei que deve voltar à pauta na segunda (16)
 
A Câmara de Vereadores de Piçarras aprovou na noite de terça-feira (10), em primeira votação, o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). A previsão é de que o imposto fique até 200% mais caro em 2014.  No total, seis vereadores votaram a favor das mudanças. Outros quatro votaram contra. O projeto ainda passará por uma segunda e última votação, prevista para a segunda-feira (16). Caso aprovado, o aumento começa a valer em janeiro de 2014. 
 

(Fonte: Câmara Municipal de Balneário Piçarras)

Publicidade
 
A última mudança na Planta Genérica de Valores, que provoca o aumento do IPTU, foi em 2006. Segundo a Prefeitura, a alteração é uma exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal. O município alega ainda que com o aumento na arrecadação poderá investir mais em áreas como educação, saúde, segurança e habitação. 
 
O vereador Júlio César Teixeira (PP), que votou contra, considera um absurdo o aumento. “Querem aumentar o IPTU em mais de 1.000%, enquanto o trabalhador que ganha um salário não teve nem 100% de aumento desde 2006”, desabafa.
 
Já a vereadora Marly Dulcinéia da Silva Santana (PSDB) votou a favor. “Existem na prefeitura vários imóveis com valores desatualizados. Por exemplo, imóvel que vale R$ 500 mil hoje e que no cadastro da prefeitura aparece com R$ 30 mil. Precisamos atualizar estes valores e meu voto é a favor, pois o reajuste trará mais ruas asfaltadas e investimentos na saúde e educação”, justifica.
 
Público não aprovou 
 
Pelo menos 50 pessoas acompanharam a votação de terça-feira. Entre o público, a maioria não aprovou a medida. A auxiliar administrativa Vera Pereira, 34 anos, foi uma delas. “Isso é uma vergonha, é um roubo. Moro no bairro Itacolomi e na minha rua não tem calçamento. Quando chove a rua vira um lamaçal e quando tem sol é a poeira que atrapalha. Se a prefeitura não fez nada com o IPTU atual, que é um dos mais caros do Brasil, vai continuar sem fazer nada”, protesta. 
 

(FOTO: Rogério Pinheiro | CScom)

 
O pescador José Afonso Maia, 42 anos, também não gostou do aumento. “Já temos impostos demais no Brasil e agora querem aumentar ainda mais o IPTU. Sou contra, se pelo menos a gente visse alguma melhoria, mas não há nada”, queixa-se. 
 
A última atualização da planta de valores do município foi realizada em 2006. Desde então o imposto vinha sendo recalculado anualmente com base na inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
 
Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click