Publicidade
Recursos seriam destinados à Educação e Infraestrutura

ESTADO - Deputados federais por Santa Catarina reuniram-se na terça-feira (3) com o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, em uma tentativa de evitar o corte de R$ 54 milhões em investimentos para o Estado. Os recursos seriam destinados para o ensino superior, rodovias e compra de equipamentos.

O foco da bancada é evitar cortes previstos no PLN 18/2019, de autoria da Presidência da República, que redireciona R$ 3 bilhões no orçamento da União. Os maiores beneficiados são o Ministério do Desenvolvimento Regional, com adicional de R$ 1 bilhão, o Ministério da Saúde, com R$ 732 milhões, e o Ministério da Defesa, com mais R$ 541,6 milhões.

Publicidade

Esse redirecionamento retiraria R$ 54 milhões de Santa Catarina. O setor mais afetado é o de infraestrutura, com retirada de verbas para obras em rodovias federais, como a BR-282 e a BR-101. Também há grande redução no custeio da educação, o que resultou em cortes ou suspensão de serviços e eventos em instituições de ensino.

O PLN 18/2019 já foi aprovado na Comissão Mista de Orçamento na semana passada e deve entrar na pauta do plenário da Câmara nesta semana.

“A gente sabe que a situação financeira dos cofres públicos é muito delicada, mas não podemos ser penalizados mais uma vez. O general Ramos assumiu o compromisso conosco de trabalhar nesta pauta”, disse o coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense, deputado Rogério Peninha Mendonça.

Continua depois da Publicidade

Cortes planejados

Para a educação, cerca de R$ 12 milhões para reestruturação e modernização de instituições federais de ensino superior estão ameaçados. O Palácio do Planalto também pretende cortar mais R$ 5,2 milhões do Instituto Federal Catarinense (IFC).

Do orçamento para manutenção de rodovias podem ser cortados R$ 11,1 milhões destinados a obras na BR-282 e mais R$ 8,7 milhões para a BR-101.

A Rodovia SC-430 também pode perder R$ 8,4 milhões destinados para a obra da Rota Caminho das Neves. Outros R$ 8,4 milhões para compra de equipamentos estão ameaçados.

Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click