fbpx
Compartilhe:

Estudantes do ensino superior que dependem do transporte oferecido pelo município começam o ano sem contar com o serviço. A Secretaria de Educação comunicou nesta semana que o processo licitatório 01/2020, para contratação de empresas de transporte, foi alvo de questionamento judicial que resultou na suspensão temporária do certame. O município informou que iria recorrer da decisão tomada pelo juiz Rodrigo Dadalt, mas acabou suspendendo o edital.

De acordo com a Procuradoria Jurídica da Prefeitura de Baln. Piçarras: primeiro, foi suspensa qualquer possibilidade de continuação do processo e, depois, deverá acontecer o pedido de informações sobre o processo. Até o momento, não há previsão de continuação para o certame.

Continua depois da Publicidade

A secretária de Educação, Laureci Pereira, explica: “No dia 18/02 ocorreu o processo licitatório para o fornecimento do Serviço do Transporte Universitário. Duas empresas participaram e uma empresa foi inabilitada – por falta de documentos solicitados em edital – e entrou com recurso dia 21/02. E assim, se faz necessária a análise dos recursos para a homologação da licitação”.

De acordo com a secretária, é preciso aguardar o fim do processo licitatório para fazer a contratação da empresa que disponibilizará o ônibus.

“Atualmente não temos nenhum ônibus da frota municipal disponível no horário necessário de saída para as universidades, todos fazem a rota do Ensino Fundamental até depois das 18h”.

Em meio à burocracia, os universitários continuam sem transporte.

Lanume Weiss, estudante de jornalismo da Univali, comenta: “É totalmente impossível eles conseguirem com que outro ônibus leve a gente por enquanto? Como que vou fazer com as faltas e trabalhos perdidos? Mesmo os colegas que estão se oferecendo pra dar carona cobram pelo menos 5 reais o dia. Vou gastar 100 reais em um mês e eu preciso muito. Todos nós contamos com esse transporte, não nos preocupamos antes como ir porque tudo tinha uma data combinada. Todos os estudantes seguiram o edital e queremos que a Prefeitura siga também e disponibilize algo enquanto resolvem o problema. A faculdade é um investimento, custa caro, não dá pra perder aulas. É meu futuro”.

 

Leia também:
Paisagem à venda
Temporada: hotelaria faz balanço positivo enquanto comércio aponta queda no consumo

 

Compartilhe:
  • 1
  • 2