Publicidade
AÇÃO SOLIDÁRIA
Meta é arrecadar fundos para comprar casa arrematada em leilão após morte do marido dela

BARRA VELHA - A viúva Maria Sonia de Souza, de 52 anos, luta para comprar novamente a casa em que mora com o filho de oito anos e que foi leiloada por conta de uma dívida bancária. Ela é portadora de doença renal crônica e lúpus, que a impedem de trabalhar.

O imóvel foi arrematado em leilão por um morador de Curitiba que está disposto a vendê-lo para Maria Sônia pelo mesmo preço, abaixo do valor de mercado. Mas ela só levantou R$ 15 mil dos cerca de R$ 60 mil necessários. Quem quiser contribuir, pode entrar em contato pelo telefone (47) 9 9724-1985 ou acessar o site: http://vaka.me/1129808.

Publicidade

Natural da Bahia, ela chegou a Barra Velha no fim da década de 1980, quando construiu a casa em que morou com o marido na Rua André Schmidtt, em Pedras Brancas, Itajuba. Há alguns anos os dois solicitaram um empréstimo de R$ 23 mil ao banco para realizar reformas e após a conclusão da obra, o marido faleceu. 

Ao entrar em contato com a antiga dona, o novo proprietário - que é seguidor da Igreja Adventista, como ela - se solidarizou e revelou ter comprado a casa para a mãe. Mas concordou em revendê-la pelo mesmo valor investido. 

É o que ele pode fazer. Comprou barato, mas vende para mim de novo pelo mesmo valor", afirma Maria Sônia.

Continua depois da Publicidade

Jornada pessoal

O marido de Maria Sônia era garçom, sofria de alcoolismo e abandonou o lar meses antes de falecer. A insistência de Sônia para que voltasse para casa e à igreja não tiveram resultado e ele acabou por ser atropelado por um carro nas proximidades do posto de pedágio em Araquari.

Doente renal, ela manifestou o quadro de lúpus (doença autoimune) em 2009 e ficou impedida de continuar atuando como trabalhadora doméstica. Sem poder pagar o empréstimo com o banco, ela viu o valor da dívida aumentar e afirma que nem chegou a saber que a casa iria a leilão.

Emanuel, de oito anos, vive com a mãe, Maria Sonia, na casa em Itajuba (Foto: Divulgação | Vakinha)

O menino Emanuel, de oito anos, também ficou sem o lar. Ele foi acolhido por Maria Sônia aos 23 dias de vida e tem bolsa de estudos na Escola Adventista de Araquari. 

Ele apareceu em minhas mãos, lindo, e eu senti desde o início que ele seria meu filho [...] Graças a ele, esqueço a minha doença".

Continua depois da Publicidade

Sabendo do drama da viúva, amigos da igreja lançaram uma vaquinha na internet. Mas conseguiram levantar apenas R$ 5 mil. Sônia tem ainda outros R$ 10 mil, do seguro de vida de Sidnei em nome de Emanuel. Ela espera poder usar esse dinheiro para comprar a casa que lhe foi expropriada pelo banco.

Quem quiser contribuir, pode entrar em contato pelo telefone (47) 9 9724-1985 ou acessar o site: http://vaka.me/1129808.

Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click