Publicidade
Com faixas e materiais informativos, os voluntários abordaram veículos para orientar motoristas e passageiros sobre as normas de segurança

Comunidade realiza ação educativa em Balneário Piçarras e Penha; não uso do equipamento de segurança é a causa de 60% das multas aplicadas

Durante toda a manhã de sábado (14) dezenas de voluntários da empresa Takata, de Balneário Piçarras, do Conselho de Segurança, Conseg 153, da Polícia Militar e do Detran da Penha promoveram duas blitz educativa para a conscientização sobre o uso do cinto e as normas de segurança no trânsito. Estatísticas do Detran de Penha revelam que 60% das multas aplicadas no município se referem a falta do uso do equipamento.

Publicidade

Essa realidade foi tema de uma reunião da Comissão Interna de Prevenção a Acidentes (Cipa) da Takata, onde surgiu a ideia da blitz. “Ficamos incomodados com a situação e por isso resolvemos fazer esta blitz”, destaca Ethiene Costa, analista de processos da empresa. Ela explica que a ideia surgiu depois que um dos funcionários, ao se dirigir ao trabalho, percebeu que muitos motoristas não utilizavam o cinto de segurança nas duas cidades, constatação confirmada pelo Detran.

Educação

Foram montadas duas barreiras: uma em frente a Casa do Turista, na entrada de Balneário Piçarras e outra no portal turístico de Penha. Segundo Deyvid de Moura, presidente do Conseg 153, boa parte da diretoria da entidade participou do esforço conjunto. “Essas ações são de grande importância e vão de encontro às funções educativas do Conseg. Faz parte da segurança da cidade”, completa.

A falta de consciência de muitos motoristas também alarmou a vereadora Marly Santana, a Ziza (PSDB), que participou da campanha. Ela afirma que muitos motoristas abordados desrespeitavam regras básicas de segurança ao transportar crianças no banco da frente, sem uso de cadeirinhas ou bebês-conforto. “Se todo mundo se conscientizasse, não aconteceriam tantos acidentes graves”, lamenta.

Com faixas e materiais informativos, os voluntários abordaram veículos para orientar motoristas e passageiros sobre as normas de segurança e de prevenção a acidentes, além de advertir sobre as penalidades que são previstas para quem desobedece a lei. Andar sem o cinto, por exemplo, é infração grave e prevê retenção do veículo com multa de R$ 127,69 por passageiro, além de somar cinco pontos na carteira do condutor. 

Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click