fbpx

Supervisor da Águas de Penha vai prestar informações aos vereadores na sessão do dia 14

Penha - A câmara técnica do Comitê da Bacia Hidrográfica do Itajaí-Açu deu parecer favorável à concessão de outorga de uso da água à concessionária Águas de Penha para captação de água no Rio Luiz Alves, um dos que compõem a bacia. A captação faz parte do projeto de implantação de um sistema próprio de abastecimento de água para atender ao município. A previsão de conclusão dos trabalhos é de nove meses, mas a concessionária não estimou uma data para o início das obras.

Continua depois da Publicidade

Dependente do Rio Piçarras, o município enfrenta problemas com abastecimento sobretudo na alta temporada. Com o aumento do consumo nos dois municípios (Penha compra água de Piçarras), a pressão diminui durante o verão e diversas comunidades precisam ser atendidas por caminhão-pipa.

A diretora executiva da Águas de Penha, Thais Forest Galina, esclarece que o parecer foi emitido depois da análise minuciosa dos estudos técnicos apresentados pela concessionária. O documento traz um diagnóstico da situação atual das águas do rio.

A Águas de Penha prevê investir R$ 40 milhões no novo sistema de abastecimento ao longo deste ano. O  montante dos recursos será aplicado em quatro obras, entre elas o  sistema de captação de água bruta no Rio Luís Alves, que contará com poço para bombas submersíveis, gradeamento, caixa de areia e uma estação de recalque de água bruta (ERAB). O sistema também contará com uma adutora com diâmetro de 500 milímetros com aproximadamente 22 quilômetros de extensão e uma Estação de Tratamento de Água (ETA) com capacidade para tratar até 325 litros por segundo a longo prazo. A ETA contará  com dois reservatórios de 1 mil metros cúbicos, centro de desidratação de lodo e Estação de Recalque de Água Tratada (ERAT).

O projeto prevê também a construção de uma adutora de água tratada com 400 milímetros de diâmetro e 1500 metros de extensão que será interligada na adutora de alimentação dos reservatórios do centro e uma adutora de água tratada de 300 milímetros de diâmetro e extensão de 7800 metros para interligação direta no reservatório Morro do Ouro.

A capacidade inicial de tratamento da ETA de Penha será de 130 litros por segundo, podendo chegar a 200 litros por segundo. A vazão  de  130 litros por segundo é suficiente para o atendimento de aproximadamente 70 mil pessoas. Somando-se à vazão dos poços já existentes no sistema, estima-se atender a até 80 mil pessoas. 

Prestação de contas

O supervisor operacional da Águas de Penha, Cristiano Galvão, vai à Câmara de Vereadores dia 14 prestar esclarecimentos sobre os projetos relacionados ao abastecimento de água. O requerimento foi assinado por todos os 11 vereadores na segunda-feira (29).

Em audiência pública realizada dia 5 de janeiro, a Águas de Penha e o Município repactuaram o contrato assinado no ano de 2015. O documento impõe prazos mais curtos para que investimentos em abastecimento e esgoto sejam realizados durante os 35 anos  de concessão. A dívida de R$ 12 milhões com a Casan (de quem o município compra água), foi assumida pela concessionária, assim como os encargos financeiros das desapropriações e licenças ambientais necessárias para a implantação do sistema de tratamento de esgoto.

A reunião terá início às 19h, com transmissão ao vivo pelo site da Câmara, Facebook e Youtube.

Leia também:

Aumento no consumo reduz pressão e deixa bairros de Penha e Piçarras sem água

Novo contrato com a Águas de Penha impõe antecipação de obras de saneamento

Concessionária implanta nova adutora no Bairro Nossa Senhora de Fátima

Governo de Penha quer rever contrato de concessão e implantar conselho municipal de saneamento básico

Comunidade discute metas de saneamento

  • 1
  • 2
X

Right Click

No right click