Publicidade
No centro de Piçarras, Avenida Beira Mar e outras vias próximas registraram pontos de alagamento

Mesmo com diversos pontos de alagamento, não há registro de desabrigados ou desalojados em Piçarras, Penha e Barra Velha

A forte chuva que atingiu o estado nos últimos três dias provocou alagamentos e interditou algumas ruas na região, mas não chegou a deixar desabrigados ou desalojados em Barra Velha, Balneário Piçarras e Penha. Mesmo com a trégua, população deve permanecer atenta ao nível dos rios, que ainda pode provocar alagamentos em todo o litoral devido à maré cheia.

Publicidade

Leia também: Previsão de maré alta e ressaca mantêm o litoral em alerta

Barra Velha

O último boletim publicado pelo Ciram informa que nas últimas 96h (das 09h do dia 19/09/2013 até às 09h do dia 23/09/2013) o acumulado de chuva na cidade chegou a 144. Os dados da estação hidrometeorológica do bairro Itajuba indicam que o nível do rio, até a tarde desta segunda-feira (23), estava em 77cm. No domingo, chegou perto dos 10 metros, mas com a trégua da chuva nenhuma residência foi atingida.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil em Barra Velha, Elton Cunha, algumas ruas foram alagadas, inclusive no centro, porém nenhuma casa foi atingida. “Não registramos nenhuma ocorrência de casa invadida pela água, não temos nenhuma família desalojada. A situação é boa. Estamos finalizando os levantamentos feitos durante o fim de semana, mas está tudo sob controle”, avalia.

As famílias que foram afetadas pelas cheias em abril, estão em alerta desde a quinta-feira. “Ficamos naquela expectativa: será que entra água em casa outra vez? Mas ainda bem que dessa vez as ruas não encheram, e nenhuma casa foi atingida aqui perto”, comenta a moradora o bairro Itajuba Sandra Muller.

A Secretaria de Obras de Barra Velha trabalhou na última semana em ações preventivas, especialmente no bairro São Cristóvão, um dos mais atingidos durante a cheia em abril. “A fim de tranquilizar os moradores, a Secretaria de Obras, abriu um respiro na galeria construída no bairro com o intuito de monitorar o volume de água na região”, explicou o secretário Carlos Alberto, o Tinho.

Penha

Nenhuma ocorrência foi registrada pelos Bombeiros Voluntários na cidade. De acordo com o comandante da corporação, Jhonny Coelho, que coordenou a Defesa Civil no município até o ano passado, cerca de 12 ruas registraram pontos de alagamento, mas a água não chegou a atingir nenhuma residência. “Até prevíamos alguma situação mais grave, mas algumas obras de melhoria na tubulação deram resultado”, acredita.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o Coelho, a coordenação da Defesa Civil na Penha está desarticulada, sem nenhum coordenador no comando. “Quando a coisa aperta, nós vamos às ruas e fazemos uma avaliação da situação e orientamos as pessoas”, afirma.

Balneário Piçarras

Na primeira cidade do estado a executar obras do Programa de Aceleração do Crescimento para prevenção a enchentes, a situação também é tranquilidade. De acordo com a Defesa Civil local, na sexta-feira (20) mais uma vez o Ribeirão Ferido, no bairro Itacolomi, foi responsável pelos maiores transtornos registrados até o momento. O nível do córrego, que precisa passar por limpeza periodicamente, atingiu a rua e provou alagamentos, mas não chegou a atingir nenhuma casa.

No centro da cidade, a Avenida Beira Mar e outras vias próximas registraram pontos de alagamento. Mesmo com ruas interditadas, nenhuma residência foi atingida pela água, segundo informa o secretário do planejamento e coordenador da Defesa Cilvil, Francisco Telles. “Também tivemos pontos de alagamento na Rua das Acácias, onde há um problema antigo de tubulação”, afirma.

Em todo o estado, a Defesa Civil atende aos chamados de emergência no telefone 199. Para acionar os Bombeiros a população pode ligar no 195.

Publicidade
X

Direitos Reservados

No right click