Publicidade

Yukanet

Previsão é de que o molhe sul seja concluído até junho de 2018

Barra Velha - Deve começar a operar nos próximos dias a draga que vai criar um canal entre a Foz do Rio Itapocu e a Lagoa Central. A ação integra projeto do município que inclui também a fixação da barra. A empreiteira Adrimar, vencedora da licitação, deu início aos trabalhos nesta semana e tem até o fim do ano para concluir a primeira parte do molhe sul, o que corresponde a 90 metros da estrutura.

Esta fase da obra é executada com recursos do Governo do Estado que somam R$ 2 milhões e foram captados pela gestão anterior. Como o repasse não garantiu a execução total do projeto e tem prazo até o fim deste ano para ser aplicado, a construção do segundo molhe foi dividida em duas etapas.O custo dos outros 73 metros está estimado em R$ 1.072.021,41 no orçamento do município para 2018. A expectativa é de que todo o trabalho seja concluído até junho do ano que vem.

O prefeito Valter Zimmermann (PSD) acompanhou o início dos trabalhos e afirmou que a fixação da barra vai promover o turismo náutico porque deve melhorar as condições de navegação do Rio Itapocu. Ele assinou nesta quinta-feira, dia 09, convênio com a Agência de Desenvolvimento Regional de Joinville para liberação de maquinário que vai atuar na Lagoa Central.

A chegada de uma tubulação com aproximadamente 600 metros de comprimento é aguardada para os próximos dias. Ela será conectada à draga da Companhia Integrada de Desenvolvimento de Santa Catarina (Cidasc) que já está no município. O equipamento vai operar em linha reta, numa extensão de cinco quilômetros e meio a partir da Praça Lauro Carneiro de Loyola até a Boca da Barra. O objetivo é criar um canal com calado de quatro metros de profundidade por 20 de largura.

Draga que vai operar na Lagoa Central chegou ao município  (Foto: Divulgação | PMBV)

Areia será analisada

De acordo com o presidente da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema), Leandro Haupt, o município já obteve a licença ambiental prévia e providencia a licença ambiental de instalação. Ele afirma que um estudo técnico está sendo realizado para analisar a qualidade da areia retirada da Lagoa e suas possíveis utilizações. Após a retirada da camada de lodo, a intenção é utilizar essa areia nas praias do município, diminuindo os efeitos da erosão marinha.

Contaminada por esgoto, a lagoa de Barra Velha é imprópria para banho segundo relatórios recentes de análise da água.

Leia também:
Publicidade
  • 1
X

Right Click

No right click