Publicidade

Beto Carrero

Tomaram posse na noite da sexta-feira (17) os membros da diretoria da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Piçarras para a gestão 2017/2018. A diretoria é a mesma dos dois últimos anos, com Fábio Emitério Silva na presidência, e passa a contar com novos cargos, entre eles diretor de patrimônio e diretor de eventos.

Publicidade

Os números que medem o movimento na cidade durante a alta temporada devem ser divulgados nas próximas semanas. O levantamento está sendo realizado desde o início da temporada e busca levantar o perfil socioeconômico, o grau de satisfação do visitante, a qualidade dos serviços prestados e os atrativos da cidade.

Realizada por exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a reunião serve para que sejam divulgados relatórios de metas fiscais referentes a arrecadação e aos gatos públicos com folha de pagamento, investimentos em saúde e educação, entre outros.

A alteração no valor foi publicada no Diário Oficial da União nessa quinta-feira (23), através da ANTT e vale também para as praças de pedágio das rodovias BR BR-116/Contorno Leste, BR-376/PR, também cedidas através de concessão para a Autopista Litoral Sul.

Eles têm nome gringo mas fazem a cabeça do povo brasileiro e também dos moradores e turistas de Piçarras, Penha e Barra Velha. Nessa temporada, os food trucks invadiram as praias da região. Somente em Piçarras, são três parques exclusivos para os carrinhos de comida, além dos outros carros espalhados pela cidade. Mais do que uma opção variada de alimentação para o público, eles também se tornaram opção de renda para empresários.

Leonardo Augusto de Athayde era proprietário de um restaurante em Itajaí. Depois de fechar o negócio e partir para outros ramos, revolveu voltar a trabalhar com culinária há seis meses, mas dessa vez em um food truck -  e não se arrepende.

- O público que em um restaurante eu demoraria dois anos para conseguir fiz em dois meses – afirma.

Segundo Leonardo, a grande vantagem do food truck é justamente a possibilidade de poder ir aonde o público está e não precisar fazer com que o público venha até o seu estabelecimento. Para começar o negócio ele fez um investimento inicial de R$ 15 mil.

O gaúcho Valmir Pereira também trabalhava há 18 anos no ramo da alimentação quando decidiu abrir seu primeiro foodtruck, aproveitando a tendência do mercado. Nessa temporada, ele optou por deixar Caxias do Sul e se fixar em Piçarras, onde tem conseguindo um bom lucro com o movimento de turistas e veranistas.

- O que nos chamou a atenção é a população local. Durante semana, 80% do movimento é de moradores de Penha e Piçarras – afirma Valmir, que também gerente de um dos food paks de Piçarras.

A facilidade de acesso foi um dos motivos escolhidos por Jaime Ferreira Filho para trazer seu food truck para Piçarras. Ele entrou no ramo há um ano, com um investimento inicial de R$ 50 mil reais. Em seis meses, deixou o antigo emprego de lado e passou a se dedicar somente ao negócio.

- Eu sempre quis trabalhar com comida e essa foi a maneira de entrar no mercado, com um investimento mais baixo – explica.

Para Gustavo Amhof de Macedo, de Curitiba, o Food truck foi uma forma de levar a marca do sócio para mais lugares do pais.

- O food truck permite mostrar tua marcas para outras regiões – afirma.

 

Para quem quiser conhecer as comidas oferecidas pelos donos dos carrinhos, em Piçarras as opções são diversas: burgers, porções, crepes, churros, sorvetes e milk-shakes, cupcakes, brownies entre muitas outras delícias estão presentes nos cardápios dos trucks.

O armadores de Itajaí e cidades do entorno projetam capturar cerca de 80 mil toneladas de sardinha durante a safra deste ano, que começou dia 15. No Sudeste/Sul do país, a estimativa é de que cerca de 122 embarcações atuem nesta safra. A maioria em Itajaí, o maior polo pesqueiro do país, de onde sai cerca de 20% do pescado consumido no Brasil.

Lepanto assumiu a empresa e fala em suporte para expansão .Em página própria na internet, a empresa afirma que foca o investimento direto, por meio de instrumentos como equity (fundos de alto risco e baixa liquidez), real state (mercado imobiliário) e em companhias de perfil familiar que apresentem alto potencial de crescimento, sobretudo após ajustes de governança.

Para os hoteleiros ouvidos pelo Expresso das Praias, os números ficaram dentro do esperado, apesar de uma pequena baixa na virada em relação ao ano passado, que pode ter sido influenciada pelo cenário financeiro.

Imposto municipal é reajustado de acordo com o INPC. Já a  taxa de lixo foi recalculada depois de uma mobilização popular. Reajustes da energia elétrica, água e esgoto ainda estão indefinidos.

X

Right Click

No right click