fbpx
topo_daredacao.png
Cidade repete erros que levaram ao caos

O exemplo da praia de Piçarras ilustra como ações mal planejadas podem resultar em prejuízos para a posteridade. Nesta semana essa constatação pode ser feita mais uma vez, infelizmente, para quem acompanha a luta que a cidade trava contra o mar desde que decidiu avançar sobre o território dele. Mesmo depois de ter conseguido recuperar a faixa de areia e de construir dois molhes que protegeram a maior parte da região central, o município é atingido pela fúria do mar que, como diriam os mais antigos, “sempre volta para buscar o que é dele”.

Esta é uma batalha constante, que se escolheu travar em nome do “desenvolvimento”- principalmente para atender aos interesses da especulação imobiliária. Para manter a faixa de areia, criou-se então, no fim dos anos 1990, o Fundo de Manutenção da Praia (Fumpra) e se manteve uma política de restrição às construções junto à Beira Mar.

Mas, nos últimos anos, esses mecanismos perderam força, mais uma vez, para atender ao interesse de quem vê a praia e os recursos naturais como produtos descartáveis a serviço do capital.

Quando decidimos usar recursos do Fumpra para obras que não estejam ligadas à dragagem e proteção da praia e quando optamos por reformular o Plano Diretor com vistas à verticalização da cidade a qualquer custo, seguimos o mesmo caminho traçado na década de 1970 - quando aterramos manguezais, lagoas e a barra em nome do “progresso”. Não foi apenas a paisagem ou a dinâmica das marés que alteramos. Como consequência, vimos nossa praia ser destruída e o turismo entrar em estagnação por décadas.

Portanto, quem chora ao ver a praia destruída “pela natureza” precisa escolher que tipo de progresso deseja para a cidade. Qual recurso restará para recompor artificialmente a faixa de areia quando o dinheiro do Fumpra for gasto em obras para abrir a Avenida Beira Mar sobre a restinga que ainda resta na região norte?

Que praia restará quando toda a orla estiver tomada por arranha-céus além da Avenida Nereu Ramos?

Para quem só busca o lucro ainda sobrarão muitas praias pelo Brasil para investir. Para quem ama esta aqui, só restarão lembranças - e o arrependimento.

Leia também:
Mais sobre: ressaca; Plano Diretor;
Leandro Cardozo de Souza
Author: Leandro Cardozo de SouzaEmail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Editor
Leia Mais

  • 1
  • 2
X

Right Click

No right click